PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Corpo Docente

Orientadores do Programa
 barra
Dra. Alessandra Cristina Marcolin Alessandra C. Marcolin amarcolin@fmrp.usp.br lattes
Dra. Ana Carolina Japur de Sa Rosa e Silva Ana Carolina J. de Sá R. e Silva anasars@fmrp.usp.br lattes
Profa Carolina Sales Carolina Sales Vieira Macedo carol.sales@usp.br lattes
Dr. Daniel Guimaraes Tiezzi Daniel Guimarães Tiézzi dtiezzi@fmrp.usp.br lattes
Dra. Elaine Christine Dantas Moises Elaine Christine Dantas Moisés elainemoises@fmrp.usp.br lattes
Prof Francisco Reis Francisco José Cândido dos Reis fjcreis@fmrp.usp.br lattes
Prof. Mauad Francisco Mauad Filho fmfilho@fmrp.usp.br lattes
Dr. Geraldo Duarte Geraldo Duarte
duarte@fmrp.usp.br lattes
Dr. Helio Humberto Angotti Carrara Helio H. Angotti Carrara hhacarra@fmrp.usp.br lattes
Dr. Julio Cesar Rosa e Silva Júlio Cesar Rosa e Silva juliocrs@usp.br lattes
Lucia Alves da Silva Lara Lucia Alves da Silva Lara luciaalvess@yahoo.com.br lattes
Luiz Gustavo Luiz Gustavo Oliveira Brito lgobrito@gmail.com lattes
Dr. Omero Benedicto Poli Neto Oméro Benedicto Poli Nétto polineto@fmrp.usp.br lattes
Dra. Paula Andrea de Albuquerque Salles Navarro Paula Andrea de A. S. Navarro paasnavarro@uol.com.br lattes
Dr. Ricardo de Carvalho Cavalli Ricardo de Cavalho Cavalli rcavalli@fmrp.usp.br lattes
Dra. Rosana Maria dos Reis Rosana Maria dos Reis romareis@fmrp.usp.br lattes
Dr. Rui Alberto Ferriani Rui Alberto Ferriani raferria@fmrp.usp.br lattes
Dra. Silvana Maria Quintana Silvana Maria Quintana quintana@fmrp.usp.br lattes
wellington Wellington de P. Martins wpmartins@gmail.com lattes
Credenciamento e Recredenciamento dos Orientadores
barra

Regimento da Pós-graduação da USP (2013)

Artigo 84– Cabe à CaA do CoPGr analisar e aprovar proposta da CPG referente aos critérios específicos dos Programas para credenciamento e recredenciamento de orientadores portadores, no mínimo, do título de Doutor.

§ 1º – O número máximo de alunos por orientador é dez. Adicionalmente, o orientador poderá co-orientar até dez alunos, desde que a soma de orientações e co-orientações não ultrapasse quinze. A CCP poderá estabelecer limites máximos inferiores aos estabelecidos neste parágrafo.

§ 2º – O número de orientações poderá exceder dez, por proposta circunstanciada da CCP, aprovada pela CPG e CaA do CoPGr.

§ 3º – O credenciamento de orientadores de cada Programa será válido pelo prazo mínimo de três anos e máximo de cinco anos, podendo ser renovado.

§ 4º – Será considerado recredenciamento a solicitação de credenciamento de orientador encaminhada à CCP em período não superior a dois anos contados a partir da data de vencimento do último credenciamento.

§ 5º – O orientador que não tiver seu recredenciamento aprovado poderá concluir as orientações em andamento.

§ 6º – O credenciamento poderá ser específico para um determinado aluno.

§ 7º – Os orientadores externos à USP deverão ter, preferencialmente, credenciamento específico. Para o credenciamento e recredenciamento desses orientadores, a proposta deverá ser justificada pela CCP e aprovada pela CPG.

Artigo 85– As normas de credenciamento e recredenciamento de orientadores devem contemplar objetivamente os seguintes critérios mínimos:

I – excelência de sua produção científica, artística e/ou tecnológica, cuja natureza deverá ser especificada nas normas do Programa;

II – coordenação e/ou participação do docente em projetos de pesquisa financiados, se pertinente.

Parágrafo único – No recredenciamento do orientador, deverão ser considerados ainda os seguintes quesitos: número de alunos por ele titulados no período, número de alunos egressos no período sem titulação (evasão) e existência de produção científica, artística e tecnológica derivadas das teses ou dissertações por ele orientadas.

Regulamento do Programa de Pós-graduação em Ginecologia e Obstetrícia (2013)

XI – ORIENTADORES E COORIENTADORES

XI.1 O número de orientadores a serem credenciados no programa será definido pela capacidade de captação de recursos e condições de infraestrutura definidas pela CCP.

XI.2 O candidato ao credenciamento para orientador especifico para alunos de mestrado deverá demonstrar: (1) Produção científica nos últimos três anos em linha(s) de pesquisa do programa, com pelo menos 3 artigos indexados no Medline; (2) Vínculo em atividade didática como professor responsável em pelo menos uma disciplina de Pós-Graduação stricto sensu; (3) Compromisso de emitir parecer técnico, dentro de prazo pré-determinado, quando solicitado pela CCP.

XI.3 O candidato ao credenciamento para orientador especifico para alunos de Doutorado deverá, além dos itens acima, demonstrar experiência prévia na orientação de alunos (Iniciação Científica ou Mestrado) e em atividades de pesquisa. Demonstrar engajamento para captação de recursos.

XI.4 O candidato ao credenciamento para orientador pleno para alunos de mestrado deverá demonstrar: (1) Produção científica nos últimos três anos em linha(s) de pesquisa do programa, com pelo menos 3 artigos sendo 1 em qualis A1 ou 2 artigos em qualis A2; (2) Vínculo em atividade didática como professor responsável em pelo menos uma disciplina de Pós-Graduação stricto sensu; (3) Compromisso de emitir parecer técnico, dentro de prazo pré-determinado, quando solicitado pela CCP.

XI.5 O candidato ao credenciamento para orientador pleno para alunos de Doutorado deverá, além dos itens acima, demonstrar experiência prévia na orientação de alunos (Iniciação Científica ou Mestrado) e em atividades de pesquisa. Demonstrar engajamento para captação de recursos.

XI.6 O primeiro credenciamento será sempre específico atendendo os critérios do item XI.3 para mestrado e o item XI.4 para doutorado.

XI.7 O credenciamento para coorientação para mestrado e doutorado será admitido nas seguintes condições:

XI.7.1. A necessidade de coorientação deverá ser justificada pelo orientador e aprovada pela CCP.

XI.7.2. O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de mestrado será de 18 (dezoito) meses.

XI.7.3. O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de doutorado será 30 (trinta) meses.

XI.7.4. O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de doutorado direto será de 36 (trinta e seis) meses.

XI.8 O número máximo de orientados por orientador é 10 (dez). Adicionalmente, o orientador poderá coorientar até 5 (cinco) alunos.

XI.9 O orientador com credenciamento pleno deverá solicitar renovação de seu credenciamento a cada 5 (cinco) anos. No recredenciamento será utilizado o mesmo critério para credenciamento pleno.

XI.10 Nos pedidos referentes ao credenciamento de orientadores externos deverá ser específico (Jovem Pesquisador, Pós-doutorando, Professor Visitante, Pesquisador Estagiário e outros) deverão ser observados os seguintes aspectos:

· Justificativa circunstanciada do solicitante quanto à contribuição inovadora do projeto para o programa de pós-graduação;

· Identificação do vínculo do interessado (ex: jovem pesquisador), mencionando a vigência do programa e linha de pesquisa;

· Demonstrar a existência de infraestrutura (física, material e/ou de equipamento);

· Demonstrar a existência de recursos para financiamento do projeto proposto para orientação do pós-graduando;

· Manifestação de um professor da instituição ou supervisor, com a anuência do chefe do departamento ou equivalente, demonstrando concordância quanto à utilização do espaço para o desenvolvimento da orientação solicitada e à manutenção das condições para a execução do projeto do pós-graduando;

· Curriculum vitae do interessado devendo constar, caso se aplique, as orientações concluídas e em andamento na USP e fora dela;

· Demonstrar a situação funcional e o vínculo institucional do interessado (caso o interessado não comprove vínculo institucional estável o período de permanência na FMRP-USP deverá ser de pelo menos 75% do prazo máximo para o depósito da dissertação ou tese).